Igreja de Nossa Senhora da Ajuda ou de São Paulo Eremita

A Ordem dos Eremitas de São Paulo só teve um convento no Algarve, em Tavira. Este teve origem numa comunidade de eremitas fixada em Vale Formoso, no termo de Tavira, junto a uma ermida dedicada a São Marcos (posteriormente dita de Nossa Senhora da Saúde). As primeiras notícias conhecidas datam de 1439, ano em que é doada uma horta a um ermitão daquela comunidade.

A conversão em Ordem Religiosa das comunidades de eremitas de São Paulo, a partir de 1578, abre caminho para a normalização monástica e para a renúncia do anterior modo de vida, favorecendo o abandono de quase todos os eremitérios medievais em benefício de instalações mais próximas ou mesmo no interior dos povoados.

Deste modo, a comunidade de Vale Formoso transfere-se para a cidade de Tavira em 1606, fundando o convento de Nossa Senhora da Ajuda nas imediações da ponte antiga, na margem esquerda do Gilão.   

A fachada da igreja ficou virada para o espaço que deu origem ao Largo da Alagoa, afirmando-se pelo seu impacto arquitetónico. As dependências conventuais situaram-se à esquerda do templo, no interior dos muros da cerca que se prolongava até ao Alto de Santa Ana.

A igreja segue as formas sóbrias da arquitetura “chã” e apresenta planta de cruz latina composta por capela-mor, transepto, nave única e nártex, tipologia rara entre as igrejas de Tavira. Durante o segundo quartel do século XVIII foram introduzidas três janelas na fachada principal, aumentando a luminosidade interior. Sensivelmente da mesma época data o trabalho de massa visível na abóbada que antecede a entrada do templo. Apresenta uma cartela onde surge representado São Paulo Eremita, padroeiro da ordem, com um leão e uma palmeira alusiva ao seu local de recolhimento no deserto.

O interior contém sete retábulos em talha, destacando-se o retábulo de Nossa Senhora do Carmo, encomendado em 1730 pela Ordem Terceira do Carmo a um dos mais prestigiados entalhadores algarvios, o mestre Gaspar Martins. Note-se que cabia à Ordem Terceira do Carmo, fundada em inícios do século XVIII, a administração de duas capelas laterais da igreja conventual mediante acordo estabelecido com os Eremitas de São Paulo.

Este e os outros retábulos que ocupam a nave apresentam-se com tonalidade escura, pois não chegaram a ser dourados e pintados, como era costume na época barroca.

Com a extinção das ordens religiosas em 1834, o convento e a cerca foram vendidos em hasta pública e a igreja entregue à confraria de Nossa Senhora da Ajuda. De salientar ainda que parte do acervo de pintura e imaginária religiosa deste templo é composto por obras provenientes de diferentes igrejas da cidade e conventos extintos.

Tags: