Antigo Mosteiro de Nossa Senhora da Piedade ou das Bernardas

Foi o maior mosteiro do Algarve e o único da Ordem de Cister no sul do país. Sua fundação remonta a 1509, por iniciativa de D. Manuel I, em ação de graças pelo levantamento do cerco mouro imposto a Arzila.

A construção prolongou-se até 1528 seguindo o formulário artístico manuelino. Apesar de inicialmente ser destinado a freiras clarissas, o mosteiro foi entregue por D. João III ao Bispo de Silves, D. Fernando Coutinho, em 1530, o qual implantou nele a Regra de São Bento segundo a observância de Cister. As duas primeiras abadessas foram as irmãs do referido Bispo.

 A sua planta formava um duplo quadrado, com um claustro, diversas instalações monásticas e a igreja dedicada a Nossa Senhora da Piedade. Salienta-se uma característica comum a outros conventos femininos e, particularmente, aos conventos da ordem de Cister: a sobriedade arquitetónica, com os exteriores muito depurados, como se duma fortaleza se tratasse. 

Outra característica particular é a ausência de pórtico axial na igreja. A porta pública das igrejas femininas situa-se, como no presente caso, na fachada lateral. Esta posição acontece em todo o universo português, constituindo uma marca distintiva da clausura feminina. Justifica-a o decoro e a rígida disciplina claustral. Os fiéis assim encaminhados na direção do altar, são obrigados a evitar o contacto visual com as monjas acomodadas no coro situado na retaguarda do templo.

O edifício foi fortemente danificado pelo terramoto de 1755 e sofreu diversas modificações ao longo dos séculos. Com a extinção das ordens religiosas, recebeu as freiras de vários pontos do Algarve até ser extinto em 1862.

Em 1890 o edifício foi convertido em fábrica de moagem, o que o descaracterizou em grande parte. A fábrica manteve-se ativa até finais da década de 1960. Do primitivo edifício são ainda visíveis vários elementos, destacando-se o portal gótico-manuelino da antiga igreja no alçado norte.

Mais recentemente, em 2012, o antigo mosteiro foi reabilitado segundo um projeto do Arq.º Eduardo Souto Moura.

Tags: