Bombeiros e Proteção Civil

Os Bombeiros Municipais de Tavira, instituição com 130 anos, desenvolvem a sua ação, em colaboração com a atividade de Proteção Civil, assegurando a proteção e o socorro da comunidade.

História

O flagelo dos incêndios foi sempre uma forte preocupação das populações. Quando ocorriam algumas dessas calamidades, o povo era avisado pelo repique dos sinos das igrejas e, rapidamente, acorria ao local, ajudando a combate-lo.

Em Tavira, assim acontecia, com a vantagem de que a tropa, que sempre aqui existiu, logo se disponibilizava com homens e material para debelar o sinistro.

1884-1897

Associação dos Bombeiros Voluntários de Tavira

Em 1884, a Câmara Municipal propõe a compra de uma Bomba Americana e o tavirense Daniel Gil Pessoa, conjuntamente com um grupo de outros homens, organizou um Corpo de Bombeiros, cujos estatutos viriam a ser aprovados, em 22 de fevereiro de 1888, pelo Governo Civil de Faro.

Surge, assim, a Associação dos Bombeiros Voluntários de Tavira, sob o comando de Manuel Ferreira Pessoa Aboim e presidência de Roque Féria.

No ano de 1889, esta associação entrou em crise, tendo o comando passado para o então Subchefe, Luís José Villa Lobos Arnedo. Perante a instabilidade da associação, foi comunicada à Câmara Municipal a pretensão de entregar a Bomba e os respetivos acessórios, encerrando, deste modo, a atividade.

1922

Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira

A 5 de julho de 1922, a Câmara Municipal deliberou criar o Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira, transitando todo o património da extinta associação para a Câmara Municipal de Tavira, continuando no comando Jaime Pires Cansado.

Em 1934, foi nomeado como 2.º comandante, Isidro José Leiria que, em 1937, assumiu o comando da corporação, cargo que manteve até 1949, tendo-o sucedido o Tenente José Inácio da Conceição, até 1954.

Em 30 de novembro de 1954, tomou posse como comandante José Filipe Amorim Pessoa Ribeiro, que se manteve no cargo até à sua substituição pelo então ajudante, Dionísio Casanova Viegas.

O crescimento no saber e na ajuda à população tornaram, desde então, o Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira uma referência no socorro da região algarvia. Refira-se que, em 15 de julho de 1972, aquando do início do Serviço Nacional de Ambulâncias (SNA), Tavira foi contemplada com uma das viaturas.

Com uma dinâmica ativa nas respostas ao combate aos incêndios, emergência médica, transporte de doentes, salvamento e desencarceramento, socorros a náufragos, entre outras valências, Dionísio Casanova Viegas, foi alvo das mais variadas condecorações, destacando-se a de Membro Honorário da Ordem de Mérito, o Crachá de Ouro da Liga dos Bombeiros Portugueses e a Medalha de Ouro da Cidade de Tavira.

2005

Desde 2005, o Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira é comandado por Miguel Eduardo da Conceição Silva, coadjuvado, até maio de 2016, pelo 2.º comandante Jorge Manuel Gonçalves Domingues. Atualmente a coadjuvação cabe ao 2.º comandante Nuno Gonçalves.

1902

Associação dos Bombeiros Voluntários de Tavira

Perante esta situação, a edilidade tomou a iniciativa de nomear uma comissão, dirigida por Sebastião José Teixeira Neves de Aragão, para reorganizar a associação.

Com uma nova direção, após sessão datada de 7 de dezembro de 1902, a Associação dos Bombeiros Voluntários de Tavira, foi dotada de material e homens e, no ano seguinte, os novos estatutos denominaram a ABVT por “Salvação Pública de Tavira”, sob o comando de João José de Matos Parreira, impondo-se instrução periódica aos bombeiros.

Em 1907, os Bombeiros adquiriram o edifício da antiga Igreja de São João da Corredoura e nele se fixaram até 1973, ano em que transitaram para as atuais instalações no Alto do Cano.

Em 1911, os Bombeiros de Tavira atravessaram um novo período de desorganização, sendo considerados como um “elemento decorativo ou representativo”, em atos solenes.

Para a sua restruturação e revitalização, foi nomeado como comandante, o Tenente do Exército Luís Gama Pinto, como o 2.º comandante, o Alferes Jaime Pires Cansado, e como ajudante, o 2.º Sargento Henrique Xavier Monteiro. Em 1913, tomou o comando dos Bombeiros Tavira o Alferes Jaime Pires Cansado, mantendo-se esta estrutura até 1921.

1972

de Bombeiros Municipais de Tavira uma referência no socorro da região algarvia. Refira-se que, em 15 de julho de 1972, aquando do início do Serviço Nacional de Ambulâncias (SNA), Tavira foi contemplada com uma das viaturas.

Com uma dinâmica ativa nas respostas ao combate aos incêndios, emergência médica, transporte de doentes, salvamento e desencarceramento, socorros a náufragos, entre outras valências, Dionísio Casanova Viegas, foi alvo das mais variadas condecorações, destacando-se a de Membro Honorário da Ordem de Mérito, o Crachá de Ouro da Liga dos Bombeiros Portugueses e a Medalha de Ouro da Cidade de Tavira.

1884-1897

Associação dos Bombeiros Voluntários de Tavira

Em 1884, a Câmara Municipal propõe a compra de uma Bomba Americana e o tavirense Daniel Gil Pessoa, conjuntamente com um grupo de outros homens, organizou um Corpo de Bombeiros, cujos estatutos viriam a ser aprovados, em 22 de fevereiro de 1888, pelo Governo Civil de Faro.

Surge, assim, a Associação dos Bombeiros Voluntários de Tavira, sob o comando de Manuel Ferreira Pessoa Aboim e presidência de Roque Féria.

No ano de 1889, esta associação entrou em crise, tendo o comando passado para o então Subchefe, Luís José Villa Lobos Arnedo. Perante a instabilidade da associação, foi comunicada à Câmara Municipal a pretensão de entregar a Bomba e os respetivos acessórios, encerrando, deste modo, a atividade.

1902

Associação dos Bombeiros Voluntários de Tavira

Perante esta situação, a edilidade tomou a iniciativa de nomear uma comissão, dirigida por Sebastião José Teixeira Neves de Aragão, para reorganizar a associação.

Com uma nova direção, após sessão datada de 7 de dezembro de 1902, a Associação dos Bombeiros Voluntários de Tavira, foi dotada de material e homens e, no ano seguinte, os novos estatutos denominaram a ABVT por “Salvação Pública de Tavira”, sob o comando de João José de Matos Parreira, impondo-se instrução periódica aos bombeiros.

Em 1907, os Bombeiros adquiriram o edifício da antiga Igreja de São João da Corredoura e nele se fixaram até 1973, ano em que transitaram para as atuais instalações no Alto do Cano.

Em 1911, os Bombeiros de Tavira atravessaram um novo período de desorganização, sendo considerados como um “elemento decorativo ou representativo”, em atos solenes.

Para a sua restruturação e revitalização, foi nomeado como comandante, o Tenente do Exército Luís Gama Pinto, como o 2.º comandante, o Alferes Jaime Pires Cansado, e como ajudante, o 2.º Sargento Henrique Xavier Monteiro. Em 1913, tomou o comando dos Bombeiros Tavira o Alferes Jaime Pires Cansado, mantendo-se esta estrutura até 1921.

1922

Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira

A 5 de julho de 1922, a Câmara Municipal deliberou criar o Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira, transitando todo o património da extinta associação para a Câmara Municipal de Tavira, continuando no comando Jaime Pires Cansado.

Em 1934, foi nomeado como 2.º comandante, Isidro José Leiria que, em 1937, assumiu o comando da corporação, cargo que manteve até 1949, tendo-o sucedido o Tenente José Inácio da Conceição, até 1954.

Em 30 de novembro de 1954, tomou posse como comandante José Filipe Amorim Pessoa Ribeiro, que se manteve no cargo até à sua substituição pelo então ajudante, Dionísio Casanova Viegas.

O crescimento no saber e na ajuda à população tornaram, desde então, o Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira uma referência no socorro da região algarvia. Refira-se que, em 15 de julho de 1972, aquando do início do Serviço Nacional de Ambulâncias (SNA), Tavira foi contemplada com uma das viaturas.

Com uma dinâmica ativa nas respostas ao combate aos incêndios, emergência médica, transporte de doentes, salvamento e desencarceramento, socorros a náufragos, entre outras valências, Dionísio Casanova Viegas, foi alvo das mais variadas condecorações, destacando-se a de Membro Honorário da Ordem de Mérito, o Crachá de Ouro da Liga dos Bombeiros Portugueses e a Medalha de Ouro da Cidade de Tavira.

1972

de Bombeiros Municipais de Tavira uma referência no socorro da região algarvia. Refira-se que, em 15 de julho de 1972, aquando do início do Serviço Nacional de Ambulâncias (SNA), Tavira foi contemplada com uma das viaturas.

Com uma dinâmica ativa nas respostas ao combate aos incêndios, emergência médica, transporte de doentes, salvamento e desencarceramento, socorros a náufragos, entre outras valências, Dionísio Casanova Viegas, foi alvo das mais variadas condecorações, destacando-se a de Membro Honorário da Ordem de Mérito, o Crachá de Ouro da Liga dos Bombeiros Portugueses e a Medalha de Ouro da Cidade de Tavira.

2005

Desde 2005, o Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira é comandado por Miguel Eduardo da Conceição Silva, coadjuvado, até maio de 2016, pelo 2.º comandante Jorge Manuel Gonçalves Domingues. Atualmente a coadjuvação cabe ao 2.º comandante Nuno Gonçalves.

Corporação

Quadro Comando

Comandante

08940138 Miguel Eduardo Conceição Silva

2º Comandante

20049214 João Filipe Ramos Ferreira

Quadro Activo

Sub-Chefe

08760017 João António Viegas Palhinha

08870143 Carlos Luís de Sousa Botelho

8900014 Paulo Alexandre Sabino de Jesus

08920077 Rui Miguel Martins Mestre

08840100 Fernando Manuel Viegas Pereira

Subchefe de 1ª classe

08880107 Arsénio de Jesus Pereira Lourenço

08930068 João Miguel Figueiredo Horta

08930118 Manuel António Gomes Rato

08930065 José Bernardino Gonçalves Pereira

08950069 José Manuel Melita Ribeiro

08860095 Rui Manuel Domingos Barão

08960060 Miguel António Rodrigues da Cruz Bonito

08930072 Nuno Alfredo Cavaco Pereira Cartó da Cruz

08970108 Paulo Jorge da Cruz Gonçalves

08920078 Pedro Manuel Ribeiros Martins

Subchefe de 2ª Classe

08990161 Carlos dos Santos Pereira Machado

20012876 Duarte Miguel Guerreiro Madeira

08050110 João Filipe Silvestre Ramos

08990130 Jorge Manuel Cartó Martins

08930066 Jorge Vital Cavaco Pereira

20012878 Licínio Mangas dos Santos Adriano

08010019 Luís Filipe Rodrigues Bonito

08960066 Nuno Filipe Menau Vaz Velho

08890071 Paulo Miguel dos Santos Baltazar

20012883 Ricardo Filipe Cavaco Ribeiro

Bombeiro de 3ª classe

8920076 António Alexandre Gonçalves Pereira

20042360 Luís Alexandre Tavares Domingues

8990131 Luís Miguel Correia Firmino

Sapador Bombeiro

20044539 Ana Patrícia Esteves Pereira

20035062 Bruno Miguel Cavaco Ribeiro

20035106 Fábio Miguel Costa Viegas

20034531 Miguel Ângelo Lopes Nascimento

20042253 Ricardo Filipe Beja Pereira

20033406 Ruben Filipe Viegas Jesus

20045252 Sandra Sofia Rodrigues Neto

20035121 Silso Leite Pereira Rogaciano

200249 Tiago Teixeira Ferro

Operadores de Telecomunicações

Sérgio Alberto Rodrigues Ferro

Joana Maria Figueiredo Horta

Maria Ermelinda Alexandre Guerreiro

Telma Marisa Lopes da Luz

Paula Maria Martins Correia Dias

Plano Municipal de Defesa da Floresta contra incêndios

O PMDFCI visa estabelecer a estratégia municipal de defesa da floresta contra incêndios (DFCI), através da definição de medidas adequadas para o efeito e do planeamento integrado das intervenções das diferentes entidades, definindo a responsabilidade sobre a execução das redes de defesa da floresta contra incêndios (RDFCI) das entidades e dos particulares, de acordo com os objetivos estratégicos decorrentes do Plano Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios (PNDFCI) em consonância com o Plano Regional de Ordenamento Florestal (PROF) e com o Plano Distrital de Defesa da Floresta contra Incêndios (PDDFCI).

 

Contactos

Morada Largo do Cano | 8800-389 Tavira
Telefone 281 322 122 | 281322123 | 281 324 864
Email bombeiros@cm-tavira.pt